Águas de Matão: Operações de geofonamento avançam em nova fase

Na primeira fase foram detectados 294 indícios de vazamentos subterrâneos dentre os 380 quilômetros percorridos na zona urbana e em São Lourenço do Turvo

Águas de Matão: Operações de geofonamento avançam em nova fase
Imagens: Águas de Matão

Excelente ferramenta para a detecção de vazamentos invisíveis e avarias do sistema de distribuição, os procedimentos de Geofonamento realizados em Matão têm se mostrado cada vez mais eficientes para a redução dos índices de perdas físicas de água no município. Recentemente, a equipe técnica da Águas de Matão concluiu a primeira fase e deu início a segunda etapa do projeto de combate a perdas.

A primeira fase contemplou os procedimentos de varredura, nos quais foram detectados 294 indícios de vazamentos subterrâneos, localizados nos 380 quilômetros percorridos na zona urbana e no distrito de São Lourenço do Turvo, que representam uma média de 0,77 vazamentos por quilômetro. Além disso, também, foram identificadas 57 irregularidades/fraudes no sistema.

A segunda etapa consiste na aferição dos vazamentos em campo. Neste processo, a equipe técnica executa os procedimentos operacionais de manutenção, melhorias e de reparo nos trechos listados como pontos de vazamento, que foram mapeados pela varredura.

De acordo com o coordenador de Engenharia e Operações da Águas de Matão, Rodrigo Queiroz, essas operações são importantes para minimizar os impactos das perdas físicas no sistema, garantindo uma distribuição mais eficiente. Segundo ele, o destaque deste processo está atrelado a tecnologia avançada que fornece um diagnóstico mais preciso, do que pelo método manual.

“Os benefícios operacionais obtidos pelo geofonamento vão além da redução dos índices das perdas, pois agregam melhorias ao processo, otimiza o tempo e recursos, além de garantir a segurança operacional do sistema de distribuição de água. O ganho de tempo está ligado ao fato do método ser menos invasivo, visto que a operação ocorre sem interrupções relacionadas às condições de solo e ao fluxo de trânsito. Já na parte de distribuição, a tecnologia possibilita uma localização mais exata do trecho afetado, com isso, consegue-se planejar de forma mais ágil as ações corretivas e, desta forma, garantir a regularidade do processo”, explica o coordenador.   
 

Fonte: Águas de Matão